Login para sua conta

Usuário *
Senha *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com asterístico (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Repetir senha *
E-mail *
Repetir e-mail *
Captcha *
Reload Captcha

Empresa mapeia campanha que espalhou conteúdo falso na internet contra líderes europeus e agência antidoping

Uma empresa norte-americana especializada no rastreamento de conteúdo em redes sociais, a Graphika, publicou um relatório detalhando as operações de um grupo que criou conteúdos falsos para atacar opositores da Rússia e aumentar tensões entre rivais políticos de diversos países, como França e Alemanha.

A Rússia sempre negou envolvimento em campanhas de desinformação.

A campanha analisada no relatório recebeu o nome de "Secondary Infektion", uma referência à operação Infektion, realizada na década de 1980 pela KGB, da então União Soviética, para espalhar o boato de que os Estados Unidos criaram o vírus da Aids.

O nome foi dado pelo instituto Atlantic Council, que publicou a primeira análise sobre a atuação desse grupo em julho de 2019.

No total, a Graphika identificou mais de 2,5 mil publicações em 300 plataformas e sete idiomas principais: russo, inglês, francês, espanhol, ucraniano, alemão e sueco. Os posts, feitos em blogs e redes sociais, defendem o presidente russo Vladimir Putin e atacam seus opositores dentro e fora da Rússia, além de tentar intensificar debates entre líderes e campos políticos opostos em outros países.

A operação estaria em curso desde 2014, mas foi a atuação das próprias plataformas de redes sociais – TwitterFacebook e Reddit – que permitiu o mapeamento.

O Facebook identificou e suspendeu contas e publicações do grupo em maio de 2019, enquanto o Reddit identificou 61 contas vinculadas à campanha após um usuário publicar documentos vazados para criticar um acordo comercial dos EUA com o Reino Unido.

Embora os documentos sobre o acordo comercial fossem aparentemente legítimos, os operadores da campanha recorreram a provas e documentos forjados na maioria dos casos.

Com um "print" falsificado de um tuíte do senador norte-americano Marco Rubio, por exemplo, as postagens denunciavam uma suposta interferência britânica nas eleições dos Estados Unidos.

Em outros textos, a ex-candidata à presidência dos Estados Unidos Hillary Clinton é chamada de "assassina", enquanto a chanceler alemã Angela Merkel é retratada como uma alcoólatra em publicações sobre "alcoolismo feminino".

O presidente da França, Emmanuel Macron, também passou a ser vítimas de ataques e boatos quando despontou como o preferido na eleição de 2017. Líderes poloneses teriam "distúrbios mentais".

Algumas publicações atingiram países ou povos inteiros. A Ucrânia foi apresentada como uma nação ruim, abandonada até por seus próprios habitantes, enquanto a Turquia e os muçulmanos em geral foram acusados de serem agressivos.

Agência antidoping na mira

Entre as instituições, o maior alvo foi Agência Mundial Antidoping (Wada). A organização trava uma batalha com a Rússia desde 2015, quando relatórios e denúncias apontaram a existência de um esquema de doping patrocinado pelo governo, levando à suspensão de atletas russos em competições olímpicas.

Nas publicações identificadas pela Graphika, há insinuação de que a Wada é corrupta de que diretores da agência estariam aceitando propina para banir drogas específicas e privilegiar determinados laboratórios. As acusações são fundamentadas em documentos forjados da própria Wada e do Comitê de Proteção de Jornalistas (CPJ), uma ONG sediada em Nova York.

Esta não é a primeira vez que a Rússia é acusada de atacar a Wada. Em 2016, o país foi apontado como responsável por um acesso não autorizado à conta da atleta Yuliya Stepanova, que denunciou o doping à agência. O país ainda deve ficar de fora dos Jogos do Tóquio após a Wada suspeitar que o laboratório russo Rusada estaria novamente manipulando dados.

Rastros e alcance limitados

Os pesquisadores não conseguiram identificar os responsáveis pelas ações. Segundo o relatório, não parece haver interações entre esse grupo e a Internet Research Agency (IRA), a operação que foi apontada como responsável pela interferência nas eleições norte-americanas de 2016. A IRA é sediada em São Petersburgo, na Rússia.

Ao contrário das contas de redes sociais atribuídas à IRA, que construíram sua reputação na internet aos poucos para ampliar o alcance do conteúdo, as publicações da "Secondary Infektion" eram muitas vezes realizadas por contas e personalidades desconhecidas, que eram abandonadas logo após o uso.

Isso dificultou o mapeamento da relação entre esses usuários – o que teve de ser realizado com base nos tipos de conteúdo. Não há informações concretas sobre a autoria das publicações.

Por outro lado, essa dinâmica de operação limitou o alcance e a credibilidade das mensagens. Em alguns casos, os próprios usuários das redes sociais desconfiavam das publicações e reagiam, acusando os autores dos textos de serem "trolls" da Rússia. Quem normalmente replicou o conteúdo, segundo a Graphika, foram os veículos estatais russos e outros sites favoráveis ao Kremlin.

Avalie este item
(0 votos)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Tendências

Tweets Recentes

Peixe boi evoluído e já saindo da água. https://t.co/Rlxgs7VkKU
Auditoria nas contas da Seguradora Líder, responsável pela gestão do seguro DPVAT, questionou uma série de procedim… https://t.co/CUEoWfoDZ6
Sapo mesmo ou Rãs? https://t.co/9soFgxgFr5
Follow Juliano Cunha on Twitter

Foto Notícias

Municípios começam a receber 31 mil doses da vacina Pfizer

Mulheres do Bolsa Família participam de Roda de conversa sobre saúde

Carreta carregada com madeira tomba e interdita estrada Laranjal para Vitória do Jari

Agricultores recebe recursos para produção de mandiocultura e açaí

Alliny Serrão visita e mobiliza apoio para população que foi afetada por chuvas e vento forte em Vitória do Jari.

Azul anuncia voo direto de Macapá ao distrito de Monte Dourado PÁ.

Vento forte com chuva causa prejuízos de diversos imóveis da população em Vitória do Jari

Tribunal do Júri condena homem a mais 20 anos de prisão, por feminicídio praticado em Laranjal do Jari

Laranjal do Jari perde clássico para Vitória do Jari no interior, mas se classifica para próxima etapa