Login para sua conta

Usuário *
Senha *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com asterístico (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Repetir senha *
E-mail *
Repetir e-mail *
Captcha *
Reload Captcha

Crise atual é 'diferente de tudo o que o mundo já viu' e terá consequências devastadoras para os mais pobres, diz economista-chefe do FMI

A crise econômica resultante da pandemia do coronavírus é "diferente de tudo o que o mundo já viu", afirmou nesta terça-feira (16) a economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), Gina Gopinath. Essa crise, apontou ela, terá "consequências devastadoras" para os mais pobres.

"É realmente uma crise global. Crises passadas, ainda que profundas e severas, permaneceram confinadas a segmentos menores do mundo, da América Latina nos anos 1980 à Ásia nos anos 1990. Mesmo a crise financeia global de dez anos atrás teve efeitos mais modestos sobre a produção global", disse.

A estimativa é de que, pela primeira vez desde a Grande Depressão, tanto economias avançadas quanto em desenvolvimento registrem recessão este ano. A próxima edição das estimativas do FMI para a economia mundial, esperada para junho, deverá mostrar quedas ainda piores do que as estimadas anteriormente – em março, o fundo estimava queda de 3% no PIB global e de 5,5% no brasileiro.

Segundo Gopinath, há três diferenças marcantes entre crises passadas e a atual.

A primeira são os efeitos sentidos pelo setor de serviços. Em crises típicas, a indústria costuma registrar as piores quedas, refletindo a queda nos investimentos, enquanto os serviços são pouco afetados. Este ano, no entanto, os serviços estão entre os mais prejudicados.

A segunda diferença vem do comportamento dos preços: apesar do forte choque de demanda, exceto pela alta registrada nos preços dos alimentos, tem sido observada uma queda na inflação e nas expectativas de inflação tanto em economias avançadas quanto em emergentes.

A terceira diferença vem dos mercados financeiros, que apresentam uma 'notável divergência' em relação à economia real, com indicadores financeiros apontando para perspectivas mais fortes de recuperação do que a atividade real sugere.

"Apesar da correção recente, o S&P 500 recuperou a maior parte de suas perdas desde o início da crise; o índice de mercados emergentes da FTSE e o índice da África melhorarm substancialmente; a Bovespa subiu significantemente apesar do aumento recente das taxas de infecção no Brasil; os fluxos de portifólio para economias emergentes e em desenvolvimento se estabilizaram", aponta a economista do FMI.

Gopinath afirma ainda que o desafio chave para escapar da crise será garantir a produção e distribuição adequada de vacinas e tratamentos uma vez que eles se tornem disponíveis – e isso vai requerer um esforço global.

Avalie este item
(0 votos)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Tendências

Tweets Recentes

Peixe boi evoluído e já saindo da água. https://t.co/Rlxgs7VkKU
Auditoria nas contas da Seguradora Líder, responsável pela gestão do seguro DPVAT, questionou uma série de procedim… https://t.co/CUEoWfoDZ6
Sapo mesmo ou Rãs? https://t.co/9soFgxgFr5
Follow Juliano Cunha on Twitter

Foto Notícias

Municípios começam a receber 31 mil doses da vacina Pfizer

Mulheres do Bolsa Família participam de Roda de conversa sobre saúde

Carreta carregada com madeira tomba e interdita estrada Laranjal para Vitória do Jari

Agricultores recebe recursos para produção de mandiocultura e açaí

Alliny Serrão visita e mobiliza apoio para população que foi afetada por chuvas e vento forte em Vitória do Jari.

Azul anuncia voo direto de Macapá ao distrito de Monte Dourado PÁ.

Vento forte com chuva causa prejuízos de diversos imóveis da população em Vitória do Jari

Tribunal do Júri condena homem a mais 20 anos de prisão, por feminicídio praticado em Laranjal do Jari

Laranjal do Jari perde clássico para Vitória do Jari no interior, mas se classifica para próxima etapa